Make your own free website on Tripod.com

Herpes Bucal

O que é Herpes Bucal?

É uma doença provocada pelo vírus HVH e que atinge a cavidade bucal de crianças e adultos sob duas formas principais:

GEHAP gengivo estomatite herpética aguda primária, que é a forma mais grave e atinge principalmente as crianças.

 

Herpes secundário ou recidivante, que atinge principalmente os adultos, que já foram contaminados na infância.

Quais os sintomas da doença?

Após o contágio o período de incubação dura de 1 a 6 dias e os sintomas que aparecem são característicos das viroses: abatimento, agitação, febre, mal estar, perda de apetite, e as vezes adenopatias submandibular e no pescoço, além de sintomas locais como mau hálito, ardência na boca e excesso de salivação.

Em seguida aparecem na boca numerosas vesículas (bolhinhas), que rapidamente se rompem transformando-se em úlceras (pequenas feridas), especialmente nas gengivas, nos lábios, na língua, no céu da boca e na garganta.

É comum as crianças apresentarem febre alta ( 38 a 40* C ) e dificuldade para engolir. As crianças apresentam-se muito irritadas durante o dia e não dormem bem a noite.

Quando tudo corre bem, a febre dura 4 a 7 dias, e as lesões desaparecem entre 1 a 2 semanas sem deixar cicatrizes.

Ele é contagioso?

Sim, ele é muito contagioso. Dentro das bolhinhas existe um líquido muito rico repleto em vírus, que provoca o herpes bucal. Estas bolhinhas ao romperem contaminam a saliva que é o maior meio de contágio para outras crianças a para adultos.

Pais portadores do herpes bucal, devem ter muito cuidado para não contaminarem seus, principalmente filhos através do beijo, dos talheres e das chupetas.

A doença também pode se espalhar para o resto do corpo através dos dedos principalmente para a face e para a pele.

O contágio pode ser evitado ? De que forma?

Sim evitando-se contato com as lesões e com a saliva da criança doente.

Se houver o contato, a região deve ser muito bem lavada com água e sabão.

Os utensílios de comer (copos e talheres), travesseiros e roupa de cama não devem ser compartilhados, e muito bem lavados.

Relembrar que os pais portadores devem evitar beijar seus filhos na boca.

Quais as pessoas que devem ter cuidados especiais para não se contaminarem?

Não se deve permitir que a criança doente entre em contato com bebês menores de 1 mês, ou com pessoas com baixa resistência à infecção, como os aidéticos, pessoas que tomam corticosteróides ou pessoas que sofrem quimioterapia para o câncer.

Quais os maiores riscos que corre uma criança contaminada com herpes?

Devido à dificuldade para se alimentar, e ingerir líquidos, provocadas pela dor e agravada pela febre alta, o maior risco que a criança corre é o da desidratação.

A criança corre ainda o risco de contrair infecções oportunistas por bactérias de caráter muito grave.

Os pais e os profissionais da saúde, devem estar muito atentos a estes dois fatores de riscos, que podem levar a criança à morte.

Se a criança está com herpes, quais os sinais que a doença esta agravando e os pais precisam prestar atenção?

Se o seu filho tem febre por mais de 1 semana, se as úlceras bucais pioram depois de 7 dias, se ele recusa líquidos por mais de 6 horas, se apresenta sinais de desidratação (pouca urina e boca seca), ou mau cheiro intenso na boca, e principalmente se está muito prostrado, os pais devem procurar imediatamente por auxílio profissional, pois a vida de seu filho pode estar em risco.

Como herpes bucal deve ser tratado?

O tratamento principal é o de suporte: Muito líquido, especialmente gelado para diminuir a dor, evitar a desidratação e acelerar a cicatrização.

Repouso.

O tratamento alopático é feito com analgésico e antitérmico para alívio sintomático. Pode ser utilizado também o VASA que é o violeta de genciana, anestésico, sacarina e água, que pode ser associada à um antibiótico para evitar infecções.

A limpeza bucal pode ser feita com : água boricada 10 volumes diluída em um quarto de água, ou outra solução anti-séptica.

O uso do ACICLOVIR é discutível ( droga que impede a reprodução dos vírus encurtando o tempo da doença).